Follow by Email

A AD Bela vista Oferece glorioso estudo bíblico todas as terças-feiras. Convidamos vocês irmãos da fé, que tem sede da palavra de "DEUS" para se juntar a nós e estudarmos e debatermos, sobre as escrituras sagradas. Local: Assembléia de DEUS Madureira jardim Bela Vista Rua: Vitória nº 8-46 ás 19:30hs contamos com vocês..



“Um verdadeiro servo de Jesus Cristo, Judas”.
Judas 1:1-2 / 2 Pedro 1:1-5.
A igreja é avivada quando tem olhos marejados, joelhos dobrados e coração quebrantado
O verdadeiro servo de jesus Cristo, procura sempre agradar a Cristo Gal. 1:10, existe algo muito importante na vida do Cristão é a sua dependência do Senhor, é a certeza que o Espirito Santo está dirigindo seus passos, rumo a uma vida de santidade, e submissão a sua palavra, Tess 4:3-4-7.Heb.12:14, 1
Diversos teólogos baseiam em fatos históricos, questiona parentesco entre Judas, e o Sr. Jesus, a teologia católica diz que Judas é primo do Sr. Jesus, a Bíblia nos informa que Judas é meio irmão do Sr. Jesus que se apresente humildemente como servo, Mc. 6:2-3.
JUDAS UM HOMEM DISPOSTO PARA SERVIR, Vejamos com ele se apresenta em sua carta Jd 1:1, Judas não se apresenta como irmão do Sr. Jesus, sua humildade não lhe permite tirar proveito desse parentesco, porque ele sabia: Que Deus age independente de conceitos familiares, como servo ele se identifica melhor. Mat. 24:46, o senhor não vem buscar grau parentescos, mais  os servos fiéis, Há muitos que se apresenta como o filho de fulano, Beltrami com desmedido orgulho e se esquece que diante da honra vai a humildade Pov. 18:12p/b.
JUDAS UM HOMEM CONVERTIDO, Judas foi a maior prova de que Deus não obriga o homem a fazer aquilo que ele não quer mesmo sendo irmão do SR. Jesus ele optou a não segui-lo, Só se converteu a Cristo somente depois da morte do Salvador. Deus quer que os seres humanos se voltem a Ele volte-se a Ele, mas de forma espontânea João 7:5 / Luc 9:23.
No emprego secular a palavra servo vem do latim= Servu= diz de quem pertence a um senhor, = aquele que não tem liberdade própria= ou não pertence a si mesmo,= que não tem a livre disposição de sua vontade, pensamentos, São atos que presta serviços de criado, domésticos, serviçal, servidor.
Já no sentido teológico aparece como um homem humilde na presença de Deus, Exo 4:10, Sl 119:7, Sl 143:12, Judas foi um exemplo fiel.
O SERVO FIEL TEM ITIMIDADE COM SEU SENHOR, Moisés foi servo confiante no seu Senhor que chegou a indagar, Exò32: 32, Ele tinha certeza do amor que Deus tinha por ele, olha sua intimidade Num. 12:7-8, além de servo era amigo Det. 34:10.
O SENHOR CONHECE O SERVO FIEL, Abraão chamou de dentro de sua casa um servo fiel para buscar uma esposa para seu filho Isaque Gn 24:1-3, o SR. Jesus também procura servos fiéis em que Ele possa confiar, a responsabilidade do servo de Abraão era muito grande porque não poderia buscar qualquer mulher para Isaque, mais que fosse de sua própria intinia (nação) tinha que ser bela aos olhos de Isaque enquanto Eliezer estava procurando a noiva, Isaque estava no campo orando Gênises 24:63, servo que é servo tem que ficar na presença do Senhor.
O SERVO TEM QUE ESTÁ Á DISPOSIÇÃO DO SENHOR, após ano de espera por um filho, Abraão vê a promessa cumprida, todavia quando Isaque já era crescido Deus pede-o em sacrifício Gênesis  26:6-9, Deus chama Abraão sua resposta foi imediata, “ Eis me aqui”, ou seja estou pronto Gênises 22:1 sem pensar ele pega seu filho e vai oferecer ao senhor que o pediu Genesis 22:2
Você é servo? E se Deus pedisse o teu Isaque Hoje você ofereceria o teu Isaque ao Senhor?

Fraternalmente: Pastor. Adenilson de Paula.





COMPREENDENDO A FORÇA DO PERDÃO.Leitura: SL 32;1 ) PERDOAR É UM ATO IRRACIONAL AOS OLHOS DO HOMEM NATURAL.Só compreende o perdão quem tem uma compreenssão mínima do que é amor e graça. AMOR= Sentimento que presdispõe alguém a desejar o bem de outrem; GRAÇA= favor imerecido;
1- Perdoar é um doar imerecido-
(manisfetação da graça). Onde houver graça, haverá sempre uma atitude perdoadora.( SL 32:1,5 )
2- Perdoar é libertar-se do passado
- é impossível ser liberto do passado sem praticar, exercitar e liberar perdão.( Tem muita gente sofrendo, porque está presa ao passado e não cosegui libertar-se),[ coisas que aconteceram a 5, 10 30 anos atrás] ( Mt 6:14-15 ) aí vive uma vida de regressão... em todas as esfêra.
3- Perdoar é libertar-se da pessoa agressiva-
que o machucou. Enquanto voce não perdoa, o agressor, como um carrasco, permanece dentro de voce, e vai te destruindo (Sl 32:3-4 ) estio= verão.
4- Perdoar é rasgar a conta
-(Cl 2. 14). Ao perdoar voce desobriga a pessoa de lhe pagar a dívida.
5- Perdoar é repetir o gesto do pai celeste-
para covosco. Errar é humano, perdoar é divino (Mt. 18:32-33).
6- Perdoar é fechar a porta do coração para o recentimento.
Quem procura liberar perdão sempre, fecha a porta enfermidades psicossomáticas=[ exerce ação na saude do corpo de maneira intença. A HIPÒFISE uma glândula que possui ligação com a região do HPOTÀLAMO no célebro, é responsavél pelo mecanismo que desencadeia doenças, uma vez, que ela produz hormónios que controlam todas as funções do organismo, as emoções e sentimentos mais fortes são percebidos pelo HIPOTÀLAMO essas emoções alteram as funções do HIPOTÀLAMO e sua conexão com o HIPÒFISE, desencadeia; doenças respiratórias, de pele, circulatórias, gastroinstestinais causadas ou agravadas pela tensão nervosa, são resultados destas alterações.
Sendo assim podemos dizer que as doenças psicossomáticas tem componentes psíquico, o corpo possui sua própia defesa, coloca fora as emoções que as vezes as pessoas tentam esconder, por meio de tremor, dores de barrigas, vómitos e outros gestos ]. (Ef. 4. 31-32).
7- Perdoar é abrir mão voluntáriamente
- de certos direitos. O perdão será sempre um gesto de uma alma que conhece e pratíca a nobreza( Mt.18. 27).
8- Perdoar é dar amor quando não há motivo-
para amar. A maior expressão do amor sacrificial (Àgape) é quando perdoamos (Lc.15.20)
9- Perdoar é desativar o sistema de violencia-
dentro e fora de nós. A força do perdão faz florar dentro do homem, a natureza do cordeiro ( Gn. 33. 4-9).






Estudo Bíblico dia 04/10/2011
  Tema: "O preço da escolha"
Deus nos dá direito de Escolha
II Crônicas Cap 25 vs 1 a 8





Sómente somente dentro de nossas escolhas sabemos se  somos abençõados ou amaldiçoados.
Deuterônomio Cap 30 vs 19 
Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência,

Das escolhas que fazemos depende nossa vida ou morte.
Cada um  deve apresentar seu culto ao senhor.
A bíblia diz que: mudados dias após dia até nos transformarmos em verdadeiros varões.
Devemos deixar de ser comodistas e permitir que o "Espirito Santo" venha a agir em nossas vidas.
Salomão diz em Proverbio cap 4 vs 23
Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.
Salmos  cap112 vs7
Não temerá maus rumores; o seu coração está firme, confiando no SENHOR.
Um coração dividido não consegue servir a Deus.
Jeremia: cap 29 vs 13
E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.

Estudo Bíblicodia 20/09/2011

Não  se tem noção do tamanho do poder que o senhor  tem  oferecido a nós.
Em Lucas Cap:10 vs 17 diz:
"Voltaram depois os setenta com alegria, dizendo: Senhor, em teu nome, até os demônios se nos submetem."
São poucos os que tem conhecimento do uso do poder a nós concedido pelo criador.
O poder é a capacidade de fazer acontecer.
Nada acontece por acaso.
Em Salmos Cap:62 vs11
Uma vez falou Deus, duas vezes tenho ouvido isto: que o poder pertence a Deus.
Ele é o pai e nós os filhos, somos  imagem e semelhança de nosso criador e em nossa genética ele nós transfere o seu poder.
Até mesmo o que ao nossos olhos parece impossível, para nosso criador nada é.
Em Isáias Cap:65 vs 25 diz:
O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão, o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o Senhor
O poder de dicernir bem do mal mesmo que este esteja camuflado. Em Mateus cap:10 vs 16 
Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas.
 Genesis cap 3vs 14
Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isso, maldita serás tu dentre todos os animais domésticos, e dentre todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida.
O poder usado com justiça.
 Referencias:
Gênesis, cap:49 vs 17
Mateus, cap:23 vs36
Atos, cap:28 vs3
João, cap:10 vs18
Deuteronômio, cap: 8 vs 14 e 15


HINO DA HARPA CRISTÃ Nº 212,  "OS GUERREIROS SE PREPARAM"


__________________________________________________________________



Estudo Bíblico de 16/08/2011
Texto Áureo: “Senhor, tem misericórdia de meu filho, que é lunático e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo, e muitas vezes na água” (Mt 17.15).
  
Verdade Aplicada: O clamor sincero e cheio de fé move a mão de Deus.

Objetivos da Lição:

·    Compreender que os pais têm uma grande responsabilidade.
·    Saber que a bênção chega quando vamos até Jesus.
·    Entender que a fé é um instrumento que deve de contínuo ser utilizado.

Textos de Referência: Mt 17.15-18

Introdução: Algumas tradições dizem que o fato ocorreu no monte Tabor... O caminho mais lógico seria às alturas do Hermon, a 20 Km de Cesaréia, com quase 3000 metros de altura...

Esta lição trata da cura de um “jovem lunático” sendo este acontecimento relatado nos três evangelhos sinóticos. No evangelho de Mateus o fato é relatado no capítulo 17.14-21. No evangelho de Marcos o fato é relatado em Mc 9.14-29 e no evangelho de Lucas o fato é relatado em Lc 9.14-29. Nos três evangelhos os fatos descritos seguem a mesma ordem cronológica. Jesus havia partido juntamente com os discípulos para as partes de Cesaréia de Filipe, quando então ocorreu a confissão de Pedro quanto a identidade de Jesus (ver Mt 16.13-20; Mc 8.27-33; Lc 9.18-21). Depois disto, Jesus começa pela primeira vez, a falar aos discípulos acerca da sua morte e ressurreição (ver Mt 16.21-26; Mc 9.22). O relato subseqüente é o da transfiguração quando então Jesus leva Pedro, Tiago e João a um alto monte e transfigura-se diante deles, dando assim aos discípulos uma antevisão de sua glória em seu futuro Reino Milenar (ver Mt 17.1-13; Mc 9.2-13; Lc 9.28-36). Segundo escreve Mateus, tal fato ocorreu seis dias após a confissão de Pedro. Já Lucas se refere ao fato como tendo ocorrido quase 8 dias após a confissão de Pedro,o que indica que Lucas está considerando tanto o dia inicial quanto o dia final dos fatos relatados. Nenhum dos três evangelistas cita o nome do monte onde ocorreu tal acontecimento, podendo ser o monte Tabor, um monte proeminente que se eleva na planície de Jezreel até 562 m acima do nível do mar, ou o monte Hermon, conforme citado pelo comentarista. De acordo com “O Novo Dicionário da Bíblia” (Douglas, 1995, p. 1558) desde o século IV d.C., e talvez mais cedo ainda, a tradição tem sustentado que o monte Tabor foi a cena da transfiguração, porém isto seria pouco provável já que nos dias do Novo Testamento havia uma aldeia em seu cume. O incidente da cura do jovem lunático ocorre quando Jesus e os discípulos descem do monte, sendo o mesmo relatado por Lucas como que tendo ocorrido no dia seguinte à transfiguração: “E aconteceu, no dia seguinte, que, descendo eles do monte, lhes saiu ao encontro uma grande multidão” (Lc 9.37). Conforme escreve Mcdonald (2008, p. 69):

“A vida não é sempre uma experiência no cume do monte. Depois de momentos de regozijo espiritual, vêm horas e dias de trabalho e esgotamento. Há uma hora quando devemos deixar o monte para ministrar no vale da necessidade humana”.

1. Um menino possuído pelo maligno – Quando desceram do monte da transfiguração, Jesus e os discípulos Pedro, Tiago e João encontraram os demais diante de uma situação embaraçosa... Os escribas debatiam com eles...

Mc 9.14-16: “E, quando se aproximou dos discípulos, viu ao redor deles grande multidão, e alguns escribas que disputavam com eles. E logo toda a multidão, vendo-o, ficou espantada e, correndo para ele, o saudaram. E perguntou aos escribas: Que é que discutis com eles?”.

1.1 O menino era lunático – O pai daquele menino o identificava como lunático. A tradição judaica ensinava que tal enfermidade era influenciada pelas mudanças ou fases da lua... A Bíblia faz diferença entre enfermidade e uma pessoa possuída por demônios.

Mt 4.24: “E a sua fama correu por toda a Síria, e traziam-lhe todos os que padeciam, acometidos de várias enfermidades e tormentos, os endemoninhados, os lunáticos, e os paralíticos, e ele os curava”.

Mt 9.35: “E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo”.

Mc 1.34: “E curou muitos que se achavam enfermos de diversas enfermidades, e expulsou muitos demônios, porém não deixava falar os demônios, porque o conheciam”.

1.2 O mal o acompanhava “E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele lhe disse: Desde a infância” (Mc 9.21)...

Mt 17.15: “Senhor, tem misericórdia de meu filho, que é lunático e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo e, muitas vezes na água”.

Mc 9.17,18,20,21: “E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo; e este, onde quer que o apanha, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai-se secando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam. E trouxeram-lho; e, quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência; e caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, espumando. E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância”.

Lc 9.38,39: “E eis que um homem da multidão clamou, dizendo: Mestre, peço-te que olhes para meu filho, porque é o único que eu tenho. Eis que um espírito o toma, e de repente clama, e o despedaça até espumar; e só o larga depois de o ter quebrantado”.
                                                                                                     
1.3 O maligno queria destruí-lo – A ação de demônios que invadem e dominam o sistema nervoso...

Jo 10.10: “O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”.

Depois da experiência da transfiguração no cume da montanha, Jesus e os três discípulos são confrontados por uma situação em que um pai traz aos demais discípulos de Jesus o filho que era possuído por um espírito maligno, porém os discípulos não puderam expulsá-lo. O filho é chamado pelo pai de “lunático” e a forma como o pai identifica os sinais externos relacionados à possessão demoníaca é muito semelhante aos sintomas relacionados à doença que hoje é conhecida por epilepsia. Isto não significa, no entanto, que qualquer pessoa que apresente os sintomas da epilepsia esteja tomado por um espírito maligno. Esta muitas vezes é causada por desequilíbrios químicos ou morfológicos que comprometem o funcionamento do sistema nervoso central. No caso em questão, a enfermidade do menino envolvia a possessão demoníaca, porém é importante notar que Jesus curou pessoas com diversos tipos de enfermidades, que não necessariamente envolvia a possessão por espíritos malignos. Quando o caso envolvia apenas algum tipo de enfermidade a forma como Jesus curava era por imposição de mãos ou algum tipo de toque, ou de alguma outra maneira segundo o seu propósito e vontade soberana; quando envolvia a possessão demoníaca a forma como Jesus “curava” normalmente era por ordem direta ao demônio para que partisse do indivíduo. A igreja quando confrontada com tais situações deve buscar discernimento e sabedoria para lidar com as mesmas. Ao mesmo tempo que se deve orar para que se tenha autoridade para que ocorra a expulsão de demônios no poderoso Nome de Jesus, a igreja não deve deixar de considerar que existem situações onde soluções médicas devem ser procuradas, pois conforme já dito anteriormente, nem toda enfermidade é decorrente de uma possessão demoníaca ainda que os sintomas sejam muito semelhantes.

Mt 10.8: “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça daí”.

Mc 3.14,15: “E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios”.

Mc 6.7,12,13: “Chamou a si os doze, e começou a enviá-los a dois e dois, e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos; e, saindo eles, pregavam que se arrependessem. E expulsavam muitos demônios, e ungiam muitos enfermos com óleo, e os curavam”.

2. O milagre de Jesus – Milagre pode ser definido como uma interferência da lei de Deus sobre as leis naturais, mediante a um poder sobrenatural...

Jesus realizou milagres no poder do Espírito Santo, assim também a igreja deve buscar a virtude do Espírito Santo para que os sinais possam acompanhar aqueles que crêem.

Lc 4.18,19: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos, e restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor”.

At 10.38: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele”.

Mc 16.17-20: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos, e os curarão. Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus. E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor, e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém”.

1 Co 12.7-11: “Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil. Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar; e a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas. Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer”.

2.1 Os discípulos não puderam (Mt 17.16; Mc 9.18) – A falta de poder dos discípulos é interpretada por Jesus por base na incredulidade...

Mt 17.16,17: “E trouxe-o aos teus discípulos e não puderam curá-lo. E Jesus, respondendo, disse: Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei eu convosco e até quando vos sofrerei? Trazei-mo aqui”.

O pai que tinha o filho lunático havia trazido o filho aos discípulos de Jesus e estes não puderam curá-lo. Jesus associa tal fato à incredulidade dos discípulos, e não à do pai do menino, pois apesar do mesmo reconhecer a sua incredulidade, conforme se vê em Mc 9.24 “E logo o pai do menino, clamando com lágrimas, disse: Eu creio Senhor! Ajuda a minha incredulidade”, havia mais fé nele que vem em busca de auxílio do que nos próprios discípulos de Jesus que com Ele andavam todos os dias, e daí Jesus repreendê-los através da frase: “Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei eu convosco e até quando vos sofrerei?” Em Mt 17.19, os discípulos aproximam-se de Jesus e pedem ao Senhor, em particular, uma explicação. Jesus vai diretamente ao ponto em questão: A falta de fé: “Por causa da vossa pequena fé; porque em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá – e há de passar; e nada vos será impossível” (Mt 17.20). Naturalmente esta declaração de Jesus deve ser entendida dentro dos princípios da fé em Deus e não da fé na fé. A primeira se baseia na vontade de Deus, e por causa disto exige vida consagrada a Deus; a segunda normalmente se baseia na presunção humana, onde o homem pensa poder determinar a Deus o que Ele deve fazer. A resposta de Jesus em Mt 17.21, onde Ele fala da necessidade de oração e jejum “Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum” mostra que é a fé subordinada à vontade de Deus, onde o homem deve reconhecer a sua limitação e dependência de Deus que Jesus está se referindo e não a qualquer outro tipo de fé.

2.2 O perigo da frieza espiritual (Mt 17.17; Mc 9.19) – “Até quando vos sofrerei”... “Sem lenha o fogo se apagará” (Pv 26.20)...

Conforme visto no tópico acima, Jesus mostrou aos discípulos a razão pelo qual eles não puderam expulsar o demônio, a incredulidade, e na seqüência, Ele instruiu quanto a necessidade de vida consagrada a Deus através da oração e do jejum. O princípio que fica em evidência é que se os discípulos tivessem uma vida de oração e jejum, como Jesus o tinha, eles poderiam ter trazido solução para a angústia daquele pai. Assim, a vida de oração e jejum de uma igreja ou de alguém é o termômetro que mostra a sua condição espiritual. Onde há muita oração e jejum resultante da dedicação genuína a Deus e à sua Palavra há fervor espiritual e abundância de fé.

Mc 1.35: “E, levantando-se de manhã, muito cedo, fazendo ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava”.

Lc 5.15-17: “A sua fama, porém, se propagava ainda mais, e ajuntava-se muita gente para o ouvir e para ser por ele curada das suas enfermidades. Ele, porém, retirava-se para os desertos, e ali orava. E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galiléia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar”.

Mc 11.22-24: “E Jesus, respondendo, disse-lhes: Tende fé em Deus; porque em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito. Por isso vos digo que todas as coisas que pedirdes, orando, crede receber, e tê-las-eis”.

2.3 Tudo é possível ao que crê (Mc 9.23) – Jesus afirma que tudo é possível se crermos, porque nada é difícil para Deus... Esse comportamento e convicção e pura confiança nas Escrituras, é denominado fé...

Mc 10.27: “Jesus, porém, olhando para eles, disse: Para os homens é impossível, mas não para Deus, porque para Deus todas as coisas são possíveis”.

Lc 1.37: “Porque para Deus nada é impossível”.

Hb 11.1,6: “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”.

Jo 14.1: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim”.

Gl 5.22: “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, , mansidão, temperança”.

1 Pe 1.21: “E por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus”.

3. A atuação dos demônios – Algumas pessoas negam a existência dos demônios. Pelas Escrituras podemos ver: Sua origem (Is 14.12-15; Ez 28.12-19). Seu caráter, isto é, as qualificações do caráter que são indicados pelos seus títulos como: 1) Satanás, que significa adversário; Diabo, caluniador; 3) Destruidor “apollyon (grego), “Abbadon” (Hebraico); 4) Serpente (Ap 12.9); 5) Tentador (Mt 4.3); 6) Príncipe e deus deste século (Jo 12.31; 2 Co 4.4). Sua atividade: Perturbar a obra de Deus (1 Ts 2.18); e o seu destino; será aprisionado durante o milênio e depois lançado no lago de fogo.

Satanás foi um anjo criado em santidade e perfeição, mas também com livre arbítrio para escolher entre permanecer fiel a Deus ou não. Em sua rebeldia, ele caiu de sua posição original e com ele um terço dos anjos conforme fica subentendido em Ap 12.3,4. Seu fim, porém será a prisão durante o Reino Milenar e depois o lago de fogo.

Is 14.12-15: “Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo”.

Ez 28.12-19: “Filho do homem, levanta uma lamentação sobre o rei de Tiro, e dize-lhe: Assim diz o Senhor Deus: Tu eras o selo da medida, cheio de sabedoria e perfeito em formosura. Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para proteger, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheu-se o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim protetor, do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti. Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem. Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; em grande espanto te tornaste, e nunca mais subsistirá”.

Ap 12.3,4: “E viu-se outro sinal no céu; e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas. E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho”.

Ap 20.1,2,10: “E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos. E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre”.

Acerca dos nomes de Satanás, além dos citados na lição podem ainda ser citado, dragão e maligno:

Ap 12.9: “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”.

Mt 4.3: “E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães”.

Jo 12.31: “Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo”.

2 Co 4.4: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”.

1 Jo 5.19: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno”.

3.1 Os demônios são opositores de Deus – ... O inimigo se opõe em primeiro lugar a Deus e em segundo lugar a humanidade (Zc 3.1; 1 Pe 5.8). Ele procura em todo momento acusar os homens diante de Deus (Jó 1.9,11; 2.4,5; Ap 12.10) e também denegrir a imagem de Deus diante da humanidade (Gn 3.1-5; Is 14.13,14).

Zc 3.1: “E ele mostrou-me o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do Senhor, e Satanás estava à sua mão direita, para se lhe opor”.

1 Pe 5.8: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”.

Ap 12.10: “E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.

Gn 3.4,5: “Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal”.

Vale lembrar que algumas das astutas ciladas de Satanás contra o povo de Deus e o próprio Deus envolvem:

·   Falsa doutrina 1 Tm 4.1: “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios”.
·   Falsos evangelhos 2 Co 11.4: “Porque, se alguém for pregar-vos outro Jesus que nós não temos pregado, ou se recebeis outro espírito que não recebestes, ou outro evangelho que não abraçastes, com razão o sofrereis”.
·   Falsos cristos 1 Jo 2.18: “Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora”.
·   Milagres enganadores 2 Ts 2.8,9: “E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; a esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira”.
·   Aparência de piedade 2 Tm 3.1-5: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te”.
·   Falsos apóstolos 2 Co 11.13-15: “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras”.

3.2 Os demônios oprimem – O maligno oprime a mente através de imaginações fantasiosas de pecado, ou de doenças emocionais e físicas... O exemplo de Jó, que foi ferido com tumores por um ataque de Satanás. Não significa que ele tenha ficado endemoninhado...

Neste ponto é importante deixar claro, que o cristão que guarda a si mesmo e anda em comunhão com o Senhor é cheio do Espírito Santo e sendo assim, ele nunca fica endemoninhado. Isto não significa, no entanto, que ele não possa vir a ser oprimido, ser tentado ou sofrer qualquer tipo de ataque por parte do inimigo, pois este de contínuo tentará seduzir o crente.

1 Jo 5.18: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca”.

2 Ts 3.3: “Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno”.

2 Co 11.3: “Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo”.

Defesas do crente contra satanás:

1. Intercessão de Cristo – Lc 22.31,32: “Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos”.
2. Ter a atitude correta para com satanás – Jd 9: “Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda”.
3. Estar vigilante contra satanás – 1 Pe 5.8-10: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar; ao qual resisti firmes na fé, sabendo que as mesmas aflições se cumprem entre os vossos irmãos no mundo. E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá”.
4. Tomar uma atitude de resistência contra satanás, mas por vezes devemos fugir – 2 Tm 2.22: “Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor”.
5. Fortalecer na comunhão com Cristo e tomar a armadura espiritual – Ef 6.10,11: “No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo”.

3.3 Os demônios tomam posse de vidas – Estudiosos afirmam que, no grego, a expressão “daimonizomai” implica em estar sob o controle de um espírito maligno. A possessão demoníaca é aquela que invade a personalidade da pessoa e toma o controle total da mente, da alma e do corpo, sendo vistas atitudes irracionais que se manifestam de modo assustador...

Possessão demoníaca é a ação de demônios que invadem e dominam o sistema nervoso, a consciência sensorial, a sede da vontade humana; e que, enfim, tomam posse do corpo físico de uma pessoa, na qual ainda não habita o Espírito Santo, controlando suas ações e, por vezes, submetendo esse corpo humano a todo tipo de humilhação e sofrimentos.

Mt 12.43-45: “E, quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para a minha casa, de onde saí. E, voltando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros. Assim acontecerá também a esta geração má”.   

4. Lições de um pai – A Bíblia possui dez registros sobre o que o demônio pode causar ao ser humano: 1) Mudez (Mc 9.17,25); 2) Surdez (Mc 9.25); 3) Espuma pela boca (Mc 9.18,20); 4) Ataques (Mc 9.18,20,26); 5) Ranger de dentes (Mc 9.18); 6) Exaustão (Mc 9.18,26); 7) Quedas (Mc 9.20); 8) Tendências suicidas (Mc 9.22); 9) Gritos (Mc 9.26); 10) Insanidade ou loucura (Mt 17.15). O pai deve ser um exemplo para os seus filhos, um sacerdote...

Ml 4.6: “E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição”.

4.1 Buscou a bênção em Jesus – Já no versículo 22, disse o pai do menino: “...Se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos”... Aquele pai apelou para a compaixão de Jesus e se humilhou...

Sl 108.12: “Dá-nos auxílio para sair da angústia, porque vão é o socorro da parte do homem”.

4.2 O amor pelo seu filho – No evangelho de Marcos 9.24 está escrito: “E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor!...” É possível imaginar aquela cena, um pai que sentia suas limitações, as forças praticamente esgotadas, decepcionado, mas amava o seu filho. Tudo na vida espiritual se baseia no amor...

1 Co 13.1-6: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”.

4.3 Vencendo sua incredulidade – Ainda em Mc 9.24b encontramos: “...Ajuda a minha incredulidade”.

Em Marcos 9.22 é possível observar que o verdadeiro desejo do adversário era destruir o menino, por isso o menino muitas vezes era jogado na água e no fogo. É possível observar também o pai tomado pela dúvida, já que as tentativas anteriores de expulsão do espírito maligno tinham sido todas frustradas, no entanto, ainda assim, e em meio à sua dúvida ele recorre a Jesus através das palavras: “Se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos”. Jesus, de certa forma, repete a fala daquele pai (se), porém com sabedoria Ele fortalece a fé do amoroso pai e afasta os seus temores, na seqüência, através das palavras: “Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê” (Mc 9.23). Imediatamente o pai do menino exclama em meio às lágrimas: “Eu creio, Senhor!” (Mc 9.24b). Assim, percebe-se que a fé é obra da palavra que vem “pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” (Rm 10.17). Jesus, porém exortara aquela geração por sua incredulidade. Aquele pai, em sinceridade diante de Jesus, reconhece a si mesmo como parte da geração incrédula, e assim, fundamentado na verdade anunciada por Jesus, ele grita em seguida à sua declaração de fé: “Ajuda a minha incredulidade” (Mc 9.24c). É a segunda vez que ele grita por ajuda, mas desta vez não para seu filho, mas por si mesmo. Há muito tempo, ele mesmo precisa de ajuda. A vida é exatamente como esta história. Esta é a experiência de todos os que se preocupam com um ente querido até se verem empurrados para a última instância. Na própria fé, eles precisam de ajuda. Eles clamam: Ajuda-me contra mim mesmo! É neste momento que a verdade de cada um acerca de si mesmo torna-se patente e Deus se torna totalmente Deus para si próprios.  

Referências Bibliográficas:
J. D. Douglas, O Novo Dicionário da Bíblia, 1995, Edições Vida Nova, São Paulo, SP.
William MacDonald, Comentário Bíblico Popular – Novo Testamento, 2008, 1a Ed., Mundo Cristão, São Paulo, SP.








 Tema: Deus nos ensina através das provações

09/08/2011,
O pai ensina o filho de diversas formas e métodos, DEUS nosso pai nos ensina através das provações.
I Pedro Cap: 4 vs 13,
"Mas regozijai-vos por serdes participantes das aflições de Cristo; para que também na revelação da sua glória vos regozijeis e exulteis".
O senhor nos mostra  que vale  a pena passar por aflições e provações,porque nada se compara a glória que recebe aquele que persevera até o fim.
Os problemas é que nos cercam nos afligem e nós ficamos desanimados e achamos que Deus não está conosco, mas as provas, lutas e tribulação vêm para nos fortalecer e nos levar para a Eternidade, o Reino de nosso Deus. Elas não são para nos derrubar, Deus nos prova para nos ensina a ser fiel a Ele, depender Dele.
Provações faz parte da vida, traz amadurecimento.
I Pedro Cap 5: vs 8,9
"Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar; 
ao qual resisti firmes na fé, sabendo que os mesmos sofrimentos estão-se cumprindo entre os vossos irmãos no mundo."
Nos mostrando que somos participantes de um mesmo sofrimento e destino.
Toda sua luta tem seu propósito, delas temos que tirar lições para crescimento Espiritual, nossos objetivos têm que ser maiores que as tribulações. 
Deus nos prova para obtermos a “perseverança", nosso sofrimento são decorrentes de seguintes fatores: Pecado, conseqüência de nossa vontade.
O pecado nos afasta de Deus. Ele por  Amor a nossas vidas nos ensina, através das provações, aflições e tribulações. As conseqüências de nossas vontades, Deus permite às vezes fazemos nossa vontade, mas as nossas vontades , as vezes contra a vontade de Deus. Ele permite sofrermos,passarmos por lutas e tribulações para  nos mostrar que Ele tem o melhor para nós.
As lutas vêm para alcançarmos as  promessas de Deus, Ele age assim para ver se nos  confiamos plenamente Nele, não basta só declarar “Deus eu confio no Senhor!!”, temos que demonstrar, sofrermos , mas Ele está conosco. Tudo que passamos, é permissão de Deus, Ele tem controle de tudo nas tuas mãos.
I Pedro Cap:4 vs:14
 Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória, o Espírito de Deus"
“Não temas, no mundo tereis que passar por aflições, mas tendes bom ânimo, pois eu venci o mundo “, e Jesus nos fez mais que vencedores. Temos que perseverar e obteremos a vitória em Cristo Jesus nosso Senhor.
Passamos por tribulações para chegarmos ao Senhor, para sermos totalmente temente e dependente Dele.
Atos Cap:4 vs:12
"E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos".
 
I Pedro Cap:1 vs: 7
"Para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo;"






 Colossenses: Cap 3 vs 23
E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,
Josué:  cap 24 vs 14-15

Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com sinceridade e com verdade; e deitai fora os deuses aos quais serviram vossos pais além do rio e no Egito, e servi ao SENHOR.
Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.
Direitos de escolhas 

Romanos cap 12 vs 1
Isaias cap 29 vs 13
Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído;
Deuteronômio cap 6 vs
Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.

Salmos cap  51 vs 17
 Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus. 

ROGO-VOS, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
  1. ERA Amazias da idade de vinte e cinco anos, quando começou a reinar, e reinou vinte e nove anos em Jerusalém; e era o nome de sua mãe Joadã, de Jerusalém.
  2. E fez o que era reto aos olhos do SENHOR, porém não com inteireza de coração.
  3. Sucedeu que, sendo-lhe o reino já confirmado, matou a seus servos que mataram o rei seu pai;
  4. Porém não matou os filhos deles; mas fez segundo está escrito na lei, no livro de Moisés, como o SENHOR ordenou, dizendo: Não morrerão os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais; mas cada um morrerá pelo seu pecado.
  5. E Amazias reuniu a Judá e os pôs segundo as casas dos pais, sob capitães de milhares, e sob capitães de cem, por todo o Judá e Benjamim; e os contou, de vinte anos para cima, e achou deles trezentos mil escolhidos que podiam sair à guerra, e manejar lança
  6. Também de Israel tomou a soldo cem mil homens valentes, por cem talentos de prata.
  7. Porém um homem de Deus veio a ele, dizendo: Ó rei, não deixes ir contigo o exército de Israel; porque o SENHOR não é com Israel, a saber com os filhos de Efraim.
  8. Se quiseres ir, faze-o assim, esforça-te para a peleja. Deus, porém, te fará cair diante do inimigo; porque força há em Deus para ajudar e para fazer cair.

O profeta Isáias diz:Este é o caminho, não desviai dele nem para a esquerda e nem para a direita.
Com escolhas erradas pagamos peços altos



ll ) PASSOS NO PROCESSO DO PERDÃO.
1- Não se esqueça que vc foi perdoado-. dai de graça o que de graça voce recebeu de Deus ( Col. 2:13 )( Mt. 6. 12)
2- Sacrifique seus direitos em oração-. ( A Bíblia compara o perdão á desobrigação de uma dívida legal.) È na oração que os nossos corações se abre para perdoar e pedir perdão. Quanto mais oramos, mais " perdoadores" nos tornamos(Mt 5.44).
3- Conte á pessoa qual foi o seu erro-. se tem coragem para errar, tenha coragem para dizer em que errou, Confessar é um dos passos do verdadeiro arrependimento( Pv. 28. 13)
4- Faça com que as palavras sejam seguidas de ações-. Não basta verbalizar, é preciso demonstrar com atitudes.
5- Decida lançar o que ocorreu no mar do esquecimento-quando perdoamos, decidimos não permitir mais que aquilo que aconteceu ocupe espaço em nossa mente ( Is 43. 25).
O mal jamais será desfeito, mais pode ser perdoado e, com isso, neutralizado. Disse o DR. Henry Cloud: "Quero andar, contudo, com pessoas que falharam comigo, mais são honestas, não com as que desonestamente negam que me prejudicaram e não tem nehuma intenção de melhorar".
Fraternalmente. Pastor. Adenilson de Paula.